Carta aberta a minha impostora

@pretocinza

Querida impostora, sei que você está bem aqui e nesse momento grita a plenos pulmões que sou uma fraude. Espero que saiba que está enganada, talvez hoje esteja inclinada a acreditar nos absurdos que me disse. Mas não se engane querida, amanhã é outro dia e sou dona dessa narrativa, você pode até sugerir trechos desse enredo e opinar nas vírgulas, só que os pontos finais quem coloca sou eu. Demorei tempo demais para entender isso, não vai ser um dia difícil que vai me derrubar, espero que saiba que pode ganhar a batalha, mas arte da guerra ainda é pintar meus murros de introspecção com as cores da revolução.

Acreditar em mim mesma pode ser confuso e complexo, mas nós duas sabemos que temos jornadas diferentes e quanto mais vem me atormentar menos estarei disposta a te aturar. A baixa estima causada pelo grande descontrole hormonal de uma vida sem hormônios sintéticos, a depressão que me abraçou no final do ano passado com louvor e o desgosto coletivo a minha personalidade, não são nada perto da minha vontade de fechar a porta na sua cara de uma vez por todas. Não é personalidade forte ou grosseria disfarçada de realidade, é consciência de si e compreensão da minha verdade.

Já dei espaço para a dor passar querida, o grito da garganta se foi e escuto todos os meus sinais vitais. Eles querem te dizer que é hora me de me deixar, pois sei lá garota tenho crises demais para suportar, não quero mais andar com você a tira colo por aqui e por ali como se fosse parte integrante de mim. Prefiro caminhar a passos leves, com a saia deslizando entre as pernas e o vento dançando com os meus cabelos.

Escrevo essa carta para que saiba que parte integrante de mim sabe quem é mesmo que às vezes adore te chamar para tomar um chá e deixar as coisas confusas por aqui, pois é do caos que nasce as minhas narrativas favoritas e as melhores revoluções internas. Só que as coisas vão mudar impostora, não vou mais te convidar e estou aqui me despedindo da parte integrante de mim que não aguenta mais te ouvir falar.

Com amor, Andresa.

20 de maio de 2021.

22 | Estudante de Jornalismo & Booktuber http://escritoselivros.com