Imagem: Senso incomum

Na última semana ocorreram dois casos que me fizeram questionar ainda mais a posição privilegiada dos homens hétero-cis dentro da sociedade. Houve um vazamento de fotos íntimas de um youtuber, e ele fez um vídeo zombando de tudo e falando que ia processar os envolvidos. Quando uma mulher tem as fotos vazadas ela tem que sofrer com todos a condenado por gostar de exibir o próprio corpo.

Outro youtuber fez um vídeo contando como estuprou a ex namorada e, logo após ser escrachado por internautas, fez outro vídeo infeliz afirmando que foi mal interpretado e inventou a história. O que só me faz repensar que as pessoas realmente NÃO TÊM NOÇÃO do significado da palavra estupro e todas as suas circunstâncias a serem consideradas ao analisar esses casos.

E se você, comediante/youtuber/produtor de conteúdo, acha que precisa atacar minorias para ser engraçado, você não sabe fazer seu trabalho.

Ah, mas o que é estupro, Andresa? De acordo com o google: crime que consiste no constrangimento a relações sexuais por meio de violência; violação.

Qualquer tipo de violação ao corpo do outro pode ser considerado estupro. E isso não acontece só na rua e sim em qualquer ambiente. Se você força sua namora/esposa/ficante ou seja lá como rotula seus relacionamentos a fazerem sexo com você, é estupro. Nunca entendi qual o problema em dizer que todo e qualquer homem é um estuprador em potencial e o porquê de os caras se doem tanto com isto. Podemos observar claramente que o rapaz do vídeo conta a história e ri com os amigos como se isso fosse algo rotineiro em sua vida. Então, por que não podemos generalizar?

“Ah, mas nem todo homem…”

Até quando vocês vão continuar com o mesmo discurso? Ser mulher é sentir todos os dias que não passamos de uma estatística, pois alguns homens se acham no direito de tirar nossas vidas, violar e objetificar nossos corpos.

Este caso do rapaz que citei não é isolado. Todos os dias a cada onze minutos uma mulher é estuprada. Isto foi constado num fórum de segurança pública em 2015, mas no ano de 2017, em Brasilia, este índice cresceu cerca de 32,4% só em casos registrados.

Além disso, Revenge Porn ou pornografia da vingança é crime, e só foi considerado como tal ano passado (confira link do site Huffpost no final do texto) depois diversas mulheres se suicidarem por não aguentarem a pressão de viver sob julgamentos alheios.

Antes que me interpretem mal, não estou dizendo que o rapaz mereceu ter suas fotos vazadas. Ninguém merece passar por este tipo de constrangimento. Negar que o privilégio masculino é ser muito cego, pois ele fez um vídeo rindo disso tudo e ainda teve o apoio dos fãs. Depois, as pessoas disseram no Twitter que haveria o mesmo sentimento de compaixão e naturalidade se fosse uma mulher. Por favor, em que bolha você vive?

Cultura do estupro já foi até tema de redação no IFPE em 2016. Assim como A Persistência da violência contra à mulher foi em 2015 tema do ENEM e ainda sim fui obrigada a ler homens dizendo que existiam assuntos mais “importantes” a serem debatidos.

A realidade é que vocês precisam calar a boca e nos ouvir falando, ao invés de julgar sob seus olhos privilegiados, pois se existe local de fala e representatividade é para que nós possamos levar não só a explanação deste tipo de conteúdo e discussão para outras, mas também fazer jus à luta de mulheres que ficaram pelo caminho.

Referências:

https://www.cartacapital.com.br/sociedade/no-brasil-um-estupro-a-cada-11-minutos

Este texto foi corrigido por Amanda Costa.

22 | Estudante de Jornalismo & Booktuber http://escritoselivros.com

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store